sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

Politica Monetária (OPEN MARKET)


Eu vejo a arte de leccionar como uma das profissões mais exigentes, cada semestre é um novo aprendizado, as turmas são diferentes, o material de estudo precisa ser adaptado ao perfil da matéria, da turma. E leccionar macroeconomia para alunos de gestão não é o mesmo que faze-lo aos do curso de ciências económicas, estes últimos já psicologicamente preparados para matéria, e com bases sólidas de introdução a economia e matemática para economistas, já os primeiros encaram tudo como uma primeira vez – apesar de que Introdução á Economia deveria ser sempre um pré-requisito para Macroeconomia. Levando em consideração as dificuldades de compreensão da aula de ontem, trouxe para o pensareconomia mais algumas gotas de conhecimento de Politica Monetária, mas concretamente as operações de Mercado Aberto (Open Market)

Ao fazer Politica Monetária e objectivando expandir o crescimento económico o Banco Central usa três instrumentos, a saber: open market, depósito compulsório e taxa de redesconto, podendo ser usados em separado ou os três em simultâneo com politica fiscal que permita um aumento dos gastos. Vejamos então, mais uma vez como funciona o Open Market:
As operações de Open Market, acontecem quando o BC entra no mercado para vender ou comprar títulos. (Títulos são activos de renda fixa que se constituem em boa opção de investimento para a sociedade, possuem a finalidade primordial de captar recursos para o financiamento da dívida pública, bem como para financiar actividades do Governo Central)
Quando o Banco Central tem o objectivo de expandir a base monetária, entra no mercado e compra títulos, chama-se a isso, politica monetária expansionista. Com tal operação de compra de títulos, um determinado montante de massa monetária em poder do BC é colocado em circulação. Com mais dinheiro em circulação pressupõe-se aumento na renda, possibilitando maior consumo e maior investimento, gerando um efeito positivo para o crescimento económico. Com o aumento do consumo, aumenta a procura agregada, e cria-se um “ciclo virtuoso”: vendedores irão encomendar mais mercadorias dos fornecedores, fornecedores comprarão mais das fábricas, mais matéria-prima será necessária, mais pessoas serão contratadas para produção, que receberão mais salário que proporcionará maiores gastos e o ciclo mais, mais… tenderá a repetir-se.

Por outro lado, havendo necessidade de contrair a Base Monetária o BC vende títulos, a isso chamamos de politica monetária contraccionista, Ao vender títulos, o Banco Central retira dinheiro do mercado, ou seja, a população fica com menos massa monetária, As pessoas se sentem menos estimuladas à gastar e, consequentemente, o nível de actividade diminui.

É pertinente lembrar que a priori a oferta de moeda não depende nem da taxa de juros nem do nível de renda nominal, é tão-somente uma decisão de Politica monetária feita pelo Banco Central. Por determinadas razoes, o BC vê-se muitas vezes em situações em que necessita contrair ou reduzir a quantidade de moeda que circula na economia (base monetária). Se o interesse do Governo é estimular a actividade económica, ele faz uso de uma politica monetária mais flexível, por outro lado se se pretende frear a actividade económica, o BC contrai a base monetária.
Lembrando que é um erro associar Politica monetária contraccionista necessariamente a queda de crescimento, o comportamento da inflação leva em muitos casos a adopção de politica monetária mais restritiva.

- Professora e isso funciona aqui? Não é somente coisa de Blanchard e Dornbush?

- Claro que funciona!O BNA é o nosso Banco Central e responsável pelas operações de mercado aberto, que nesse momento tem já disponível o preço dos títulos para venda directa ao público de 11.10 a 17 de 10 de 2007- pessoas colectivas não bancárias e pessoas singulares. Informem-se no site do BNA, por telefone: 222 33 60 69 / 222 39 62 80 ou no balcão do Departamento de Mercado de Activos – Av. 4 de Fevereiro, porta 136 - R/C. Um macro abraço e até nossa próxima aula.

4 comentários:

Anónimo disse...

Eu sou da turma da 2GN e estou com dificuldades para fazer o trabalho, não tem os livros na biblioteca...

Anónimo disse...

gostaria que a professora pusesse mais matérias para que pudéssemos ter mais matéria para as provas que estão ai a chegar. se a professora puder põe mais matérias no blog obrigada pela atenção..

MESUMAJIKUKA disse...

De economia entendo apenas por poupar. É assim que dita o senso comum. Detesto números, a menos que sejam grandes números e apara a minha conta. Apesar deste meu defeito, descobri a escola e vim para a aula de Economia. Parabéns professora e estamos atentos e desejosos de aprender, embora de momento, eu, entenda pouco ou mesmo nada sobre o assunto.

ANNA MATHAYA disse...

Olá Mesumajikuka, o pensar economia surgiu para dar suporte aos meus alunos da cadeira de Macroeconomia, do Curso de Gestão de Empresas da ULA, uma forma de provocar discussões. Esperava ter um blog muito mais participativo, mas os alunos os alunos tiveram que "economizar dedos"... mas vamos aproveitar seu interesse e reavivar nossas discussões, grnde abraço e SEJA BEM VINDO!